segunda-feira, 9 de março de 2009

Poema ao amigo Beto




Versando meus causos, nas rimas do dia,
Letrando poemas, com grande euforia.
Assim se fez, este elo fraterno,
Um amor bem sincero, daqueles que só o Eterno,
Pode inspirar, confirmar e afirmar.

Nas andanças deste século encontrei-te oh Alberto,
Sempre presente, para mim e para tantos,
Com serventia de berço e valentia nos bolsos,
Transborda atenção sem cobrar nenhum tustão.

Tu és do modelo antigo, aquele que hoje está esquecido,
Mais do que amigo, é também abrigo.
Desde os cães, até o ser mais querido,
Alvo de teu coração, herança da criação,
Que de Sônia e Alberto, nasceu o pequeno Beto.

Hoje se defende como pode, mas jamais sem antes saber,
Do que se trata o referido, vez em sempre nunca corre.
É assim que te vejo, homem feito e amigo fiel,
Grande irmão nesta andança, te desejo uma esperança,
Que tu possas repousar em Cristo, crendo na eterna Estância.

E agora para alegrar-te ainda mais, deixo um verso nesta trova,
Pra você que como pai, logo se realiza,
Também para a mamãe e brevemente para a Heloísa!!!


Seus amigos Marcio, Lessa e Lara

Um comentário:

Marcio RIbeiro disse...

Esse eh o Betão ... grande amigo ... feito irmão !!! Gracioso vaso nas mãos do Oleiro !!!