domingo, 26 de abril de 2009

Pensante Alegro ...















Momento mágico, momento de reflexão
Quão bom, infinitamente mergulhado no ser,
Algemado pela busca do conhecer,
Quase me rendendo na sedução do saber,
Saber? Para que o saber?
Será a descoberta a melhor descoberta?
Ou existe algo mais que ainda não deixou ser descoberto?
É a eterna busca do desconhecido,
Aquele que não se apresentou ainda,
Que ainda permanece velado, e respeita-me calado,
Porque estou celado, sou objeto dessa ilusão que chamam vida;
Busco o desconhecido sem nunca saber, nem se quer o rumo desta trilha.
Os bombardeios urbanos se deleitam no âmago do pensamento, difícil fugir!
Resistir até o final, grande é o sinal!
Bandeira de resistência, pois na essência somos todos filhos desta ira!

8 comentários:

Tuco Egg disse...

Rapaz. Não sabe a alegria que foi para mim o dia em que me entreguei definitivamente à dúvida, livrando-me para sempre da ânsia pelas convicções inabaláveis, especialmente as religiosas.

A Trilha? Só Deus sabe onde vai dar. E isso basta. à nós resta a resistir até o final.

Abração.
(ainda esperando sua visita...)

Marcio RIbeiro disse...

Como dizia Karl Barth: "Já, mas ainda não" ... é a eterna busca ... da dúvida? Não sei ... Só sei que nada sei ...

jerson disse...

A Fé que não acolhe a dúvida não é fé e sim fanatismo, já dizia o Tillich. As pessoas amam mais a doutrina (fé congelada num discurso ideológico) que Jesus.

Marcio RIbeiro disse...

Pequenas reflexões nos levam mais perto do desconhecido ... e nos fazem conhece-lo melhor ... desvelando aos poucos ... pois agora o vemos em parte, como num espelho fosco ... mas um dia face a face ...

Diego Venancio disse...

Essa nossa mania de dar nome a tudo, de achar sentido em tudo só empobrece tudo. Quantas vezes as palavras empobrecem? eu por exemplo amo a música instrumental pelo seu poder de significação, seu poder imagético...nos leva muito mais longe do que as palavras...mas quantos querem pensar nisso? bom pelo menos eu me deleito...rs Valeu o texto Marcião; abraços.

Cali_________________________ disse...

Visse??? é disso que eu tava falando quando disse que as palavras aprisonam meu pensammento, não sei... a escrita não é uma descrição da realidade, ela cria uma realidade. Estou de acordo com o Diego. Escrever é massa, mas é um trabalho de tortura pra mim ainda. Vou dar uma olhada no teu blog, já tinha visto tempos atras.

Marcio RIbeiro disse...

O interessante eh que muitas vezes tento escrever algo de profundidade no silêncio e na solidão ... e naum sai ... Essa reflexão, escrevi na mesa de uma padaria, tomando akele cafezinho ... em frente a uma lombada eletronica em uma esquina movimentada no bairro Coqueiros aki em Fpolis ... Mas realmente o momento foi magico ... estava lendo "Filosofia e História da Educação" - Claudino e Nelson Piletti ... ao mesmo tempo bate um sentimento de escravidão do saber ... a ansia da descoberta ... em pensar quantos foram seduzidos por isso e naum passaram de "teóricos" ... eu quero realmente fugir ... vamos desse lugar ... baby ... Abraç(o____

Leonardo disse...

Fala Márcio!
Sabe, penso que prefiro muito mais a cultura da oralidade do que (até mesmo) os comentários virtuais (como te disse quando tomávamos chimarrão).
E saber falar é, antes de mais nada, saber ouvir. Isso quer dizer que o melhor orador deve falar muito pouco...
Sócrates disse: “Eu, que de fato não sei tudo, também não fico dizendo que sei tudo”. Li uma tese que essa é a melhor tradução para “Só sei que nada sei”.
Mas a Palavra diz que o conhecimento ufana e o amor edifica.
Olha, pra todos que buscam o conhecimento (em geral), saibam que o homem não pode receber coisa alguma se do céu não lhe for dado; as pessoas que, de outra forma, pensam ter atingido algum conhecimento, saibam que é falso e prejudicial, e não legítimo.
Vamos deixar o bom pastor nos guiar pro lugar certo, pessoalmente e como sociedade.